segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Plantas Enteógenas. O que são?

Fonte: Blog Atividade da Mente: http://www.atividadedamente.blogspot.com/

A melhor definição que encontramos para o termo foi essa: "A palavra enteógeno significa literalmente: "manifestação interior do divino", deriva de uma palavra grega obsoleta, que se refere à comunhão religiosa com drogas visionárias, ataques de profecia, e paixão erótica, e está relacionada com a palavra entusiasmo pela mesma raiz.".

Portanto fica fácil observar que o intuito aqui não é levantar bandeiras do uso de drogas, mas simplesmente perceber que o uso de determinadas plantas são mais do que naturais, não só aos homens, mas também a alguns animais. É o que diz o estudo feito por Rafael G dos Santos, da UNICEUB:

"O uso intencional de substâncias psicoativas com o objetivo de se criar estados
alterados de consciência é uma prática que existe há milhares de anos. Vários grupos de animais (desde os mais primitivos) usam substâncias psicoativas com a intenção de ficarem “intoxicados”. Ex: Manduca quinquemaculata (mariposas) que se “alimentam” das flores de Datura meteloides (planta rica em potentes alcalóides com propriedades psicoativas como a atropina) (Samorini, 2002), javalis e primatas que cavam a terra em busca das raízes do poderoso arbusto eboka (Tabernanthe iboga), planta utilizada nas cerimônias das religiões Bwiti, presentes no Congo e no Gabão (África) (Samorini, 2002; Labate, 2003), etc.

[...] O uso de enteógenos por seres humanos existe há, pelo menos, 50 mil anos
(Labate, 2003). Em praticamente todos os cantos da Terra existe ou existiu alguma cultura que usa ou usou estes seres vivos com características especiais para as mais diversas finalidades. Dentre alguns destes podemos citar:

(a) Soma (Amanita muscaria), cogumelo paleo-siberiano utilizado por caçadores
coletores das tribos Tungue e Koriak na Eurásia (Schultes & Hofmann 1992; Furst,
1994; Spinella, 2001);

(b) Peiote (Lophophora sp.), cacto cultuado pelos Astecas e atualmente pelos índios huicholes do México (Schultes & Hofmann, 1992; Furst, 1994), possuí mais de 55 alcalóides diferentes (Spinella, 2001);

(c) Teonanacatl (Psilocybe sp.), cogumelos utilizados ritualmente pelos Maias, Mazatecas e outros grupos indpigenas na região de Oaxaca, México (Schultes & Hofmann 1992; Furst, 1994; Arthur, 2000);

(d) Ololiuqui (Rivea corymbosa, Ipomoea violacea), a trepadeira mágica dos
Astecas e Mazatecas, ainda hoje seus descendentes a utilizam com finalidades
divinatórias, terapêuticas e mágicas (Schultes & Hofmann 1992; Furst, 1994);

(e) Bangue (Cannabis sativa, C. indica, C. ruderalis), planta que se encontra
cultivada em praticamente todo o planeta, seu uso como medicamento, sacramento ou para fins recreativos permeia a história de povos na Índia (os sadhus, ou homens santos), na África (principalmente Etiópia e Serra Leoa), Ásia (usada para fins meditativos no Budismo Tântrico, por exemplo), Américas (tribos indígenas como os Cuna no Panamá, os Cora, Tepehua, e os Tepecanos no México a chamam de Santa Rosa, Rosa Maria, etc, e algumas tribos brasileiras também a utilizam, por exemplo, para fazer roçado, como os Tenetehara do Maranhão) (Henman, 1986; Schultes & Hofmann 1992; MacRae, 1992, 1998; Furst, 1994; Robinson, 1999;); embora o principal psicoativo presente na Cannabis sp. seja o já amplamente conhecido Δ9 - tetrahidrocanabinol, em um recente simpósio (I Simpósio Cannabis sativa L e Substâncias Canabinóides em Medicina, São Paulo, 15 e 16 de abril de 2004 - CEBRID - Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas, Dep. De Psicobiologia da UNIFESP/EPM e SENAD Secretaria Nacional Antidrogas) foram relatadas mais de 66 substâncias diferentes presentes na maconha;

(f) Paricá, epená, cohoba, yopo, vilca, cébil (Anadenanthera peregrina, A. colubrina, Virola sp.), utilizada por grupos indígenas, por exemplo, na fronteira entre Brasil e Venezuela - os Yanomami - como um pó para inalação (rapé) (Schultes & Hofmann 1992; Furst, 1994; Ott, 1994);

(g) Jurema (Mimosa hostilis), uma leguminosa que foi utilizada para caçar e
guerrear entre os índios do nordeste brasileiros e atualmente é usada, entre outras finalidades, para fins mágicos entre raizeiros e indígenas (Schultes & Hofmann, 1992; Mota & Albuquerque, 2002);

(h) Ayahuasca (Banisteriopsis sp. e combinações), seu uso foi relatado entre,
pelo menos, 72 grupos indígenas diferentes que habitam, na maioria dos casos, a
Amazônia Ocidental (Luna, 1986);"

E aí, alguém já experimento algum desses sem ser o Bangue? Além disso, você tem encontrado deus dentro de você a cada baseado? Seu uso condiz com a realidade enteógena da erva, ou é só pra chapar a cabeça mesmo? Sigamos prensando... com fé e sabedoria, pra não falhar!

12 comentários:

Rodrigo disse...

Cara já fiz uso de ayahuasca em ritual religioso e acredito que depende muito como se interpreta o que emerge da "viagem".

Parabéns pelo blog! Cliquei porque vi um comentário seu no hempadão. Te adicionarei nos meus favoritos.

Atualmente faço mestrado sobre o tema. Acho super importante o ativismo e os debates que a galera ta levantando!

Fernando Beserra disse...

Fala Rodrigo!
Tudo certo?

Já tem tema definido sua tese? Depois se escrever passa a bola ai pra gente que tamos publicando =).

Tá um pouco difícil manter sempre atualizado o blog, mas vamos tentando...

Um abraço.

Anônimo disse...

Uso ayahusca e jurema cannabis com fins religioso pretendo usar novas plantas como busca de conhecimentos. Parabens pela a iniciativa do blog é sempre bom informações sobre essas plantas maravilhosas

Anônimo disse...

sejam bem vindos!!!
http://plantasdivinas.webnode.com/

José Elias disse...

Gostei, tomei conhecimento da existência de várias plantas enteógenas.
Mas não entendi quem é o autor do artigo, se Rafael G dos Santos ou Fernando Beserra

Felipe Silva disse...

Procurando enteógenos? oferecemos varias plantas e sementes no ramo, visite: www.lonlongarden.com.br

Anônimo disse...

Uso cannabis e eventualmente uso amanita muscaria, tenho vontade de experimentar ayahuasca, gostaria de saber sobre cultivo

Anônimo disse...

https://www.facebook.com/pages/Jurema-Preta-Enteogenia/591395364277860?ref=hl

Gustavo disse...

Olá amigos viajantes, hehehe.
Estou este ano com uma equipe, muito empenhada em um projeto: trazer para o brasil o maior numero possível de enteogenos e plantas de pode do mundo inteiro.
Ajudem o nosso projeto acessando: www.aldeiamagica.com.br
Paz e Luz a todos!

Raquel Dóris disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Raquel Dóris disse...

Boa noite! Eu tô achando isso tudo muito louco! Planta "alucinógena" pra encontrar Deus?!?!

Raquel Dóris disse...

Ps: eu tomei conhecimento sobre, no canal Vibrando Alto no YouTube...

Postar um comentário