quarta-feira, 14 de abril de 2010

Novas pesquisas cienttíficas com enteógenos

Hallucinogens Have Doctors Tuning In Again
Texto de John Tierney do NY Times
Linkado no site da Bia Labate
Tradução: Enteógenico (é nois mesmu!)

Como psicólogo clínico aposentado, Clark Martin estava bastante familiarizado com os tratamentos tradicionais para depressão, mas seu caso parecia intratável enquanto ele lutava com a quimioterapia e outros regimes fatigante para o câncer de rim. Aconselhamento parecia inútil para ele. Assim como as pílulas antidepressivas que ele tentou.

Nada tinha qualquer efeito duradouro, até que, na idade de 65 anos, ele teve sua primeira experiência psicodélica. Ele deixou sua casa em Vancouver, Washington, para participar de um experimento na escola médica Johns Hopkins, envolvendo a psilocibina, a substância psicoactiva encontrada em certos cogumelos.

Os cientistas estão tendo um novo olhar sobre os alucinógenos, que se tornou um tabu entre os reguladores após entusiastas como Timothy Leary promoveram nos anos 1960 com o slogan "Turn on, tune in, drop out". Agora, usando protocolos rigorosos e garantias, os cientistas obtiveram permissão para estudar mais uma vez o potencial das drogas para o tratamento de problemas mentais e iluminando a natureza da consciência.



Depois de tomar o alucinógeno, o Dr. Martin colocar uma máscara de olho e fones de ouvido, e se deitou em um sofá, ouvindo música clássica, ao contemplar o universo.

"De repente, tudo começou a evaporar familiar", lembrou. "Imagina você cair de um barco no oceano aberto, e você se virar, o barco e se foi. E então a água acabou. E então você vai embora."

Hoje, mais de um ano depois, o Dr. Martin credita à experiência de seis horas a ajuda para superar sua depressão e profundamente transformar seu relacionamento com sua filha e amigos. Ele classifica a experiência entre os eventos mais significativos de sua vida, o que faz dele um membro típico de um clube cada vez maior de sujeitos experimentais.

Pesquisadores de todo o mundo estão reunidos esta semana em San Jose, Califórnia, a maior conferência sobre ciência psicodélica realizada nos Estados Unidos em quatro décadas. Eles pretendem discutir estudos de psilocibina e outros psicodélicos para tratar depressão em pacientes com câncer, transtorno obsessivo-compulsivo, ansiedade da proximidade com a morte, transtorno de estresse pós-traumático e dependência de drogas ou álcool.

Os resultados até o momento são encorajadores, mas ainda preliminares, e pesquisadores alertam contra leitura exagerada destes estudos em pequena escala. Eles não querem repetir os erros dos anos 1960, quando alguns cientistas viraram evangelistas exagerando sua compreensão dos riscos e benefícios das “drogas”.

Como as reações de alucinógenos podem variar muito, dependendo do ambiente (setting), os pesquisadores e as placas de revisão desenvolveram diretrizes para criar um ambiente confortável com monitores especializados na sala para lidar com as reações adversas. Eles estabeleceram protocolos padrão para que os efeitos das “drogas” possam ser avaliados com mais precisão, e eles têm também observados diretamente os efeitos das drogas por varredura (scanning) dos cérebros de pessoas sob a influência de alucinógenos.

Os cientistas estão especialmente intrigados com as semelhanças entre as experiências alucinógenas e as revelações de mudança de vida relatada ao longo da história pelos místicos religiosos e aqueles que meditam. Essas semelhanças foram identificadas em exames de imagem neural conduzido por investigadores da Suíça e em experimentos conduzidos por Roland Griffiths, professor de biologia comportamental na Universidade Johns Hopkins.

Em um dos primeiros estudos Dr. Griffiths, envolvendo 36 pessoas sem problemas graves físicos ou emocionais, ele e seus colegas descobriram que a psilocibina poderia induzir os sujeitos experimentais descreveram como uma profunda experiência espiritual com a duração de efeitos positivos para a maioria deles. Nenhum deles tinha tido qualquer experiência anterior com alucinógenos, e nenhum deles estava mesmo certo que droga estava sendo administrada.

Para fazer o experimento duplo-cego, nem os sujeitos nem os dois peritos acompanhamento deles sabia se as pessoas estavam recebendo um placebo, a psilocibina ou outra droga como Ritalina, nicotina, cafeína ou anfetamina. Embora veteranos da cultura psicodélica dos anos 60 possam achar difícil acreditar, o Dr. Griffiths disse que mesmo os monitores, por vezes, não podiam saber a partir de reações se a pessoa tomou psilocybin ou Ritalin .

Os monitores tinham às vezes que consolar as pessoas através de períodos de ansiedade, disse o Dr. Griffiths, mas estas foram geralmente de curta duração, e nenhuma das pessoas relatou qualquer efeito negativo grave. Em um levantamento realizado dois meses depois, as pessoas que receberam a psilocibina relataram melhorias significativamente maiores em sentimentos e comportamento gerais do que os membros do grupo de controle.

Os resultados foram repetidos em outra pesquisa follow-up, tomada 14 meses após o experimento. Nesse ponto, a maioria dos indivíduos que usaram psilocibina, uma vez mais expressou maior satisfação com sua vida e classificou a experiência como um dos cinco eventos mais significativos de suas vidas.

Desde que o estudo, que foi publicado em 2008, o Dr. Griffiths e seus colegas passaram a dar psilocibina para pessoas que lidam com câncer e depressão, como o Dr. Martin, psicólogo aposentado de Vancouver. A experiência do Dr. Martin é bastante típica, disse o Dr. Griffiths: uma perspectiva melhor sobre a vida após uma experiência na qual as fronteiras entre o si-mesmo (self) e os outros desaparecem.

Em entrevistas, o Dr. Martin e outros sujeitos descreveram seus egos e corpos desaparecendo como se sentissem parte de algum estado de consciência mais amplo em que as suas preocupações pessoais e inseguranças desapareceram. Encontraram-se revendo antigos relacionamentos com amantes e parentes com um novo senso de empatia.

"Foi uma mudança de personalidade como um todo para mim", diz Martin. "Eu não estava mais por muito tempo ligado ao meu desempenho e tentando controlar as coisas. Eu pude ver que as coisas realmente boas na vida vão acontecer se você simplesmente aparecer e compartilhar seu entusiasmo natural com as pessoas. Você tem um sentimento de sintonia com outras pessoas. "

Os relatórios dos sujeitos espelharam tão intimamente os relatos das experiências religiosas místicas, disse o Dr. Griffiths, que parece provável que o cérebro humano seja ligado a passar (submeter-se, underego) por estas experiências "unitivas" (unitive), talvez por causa de alguma vantagem evolutiva.

"Esta sensação de que estamos todos juntos nisso pode ter beneficiado as comunidades, incentivando a generosidade recíproca", disse o Dr. Griffiths. "Por outro lado, o amor universal nem sempre é adaptativa”.

Embora os reguladores federais retomaram a concessão de autorização para experimentos controlados com drogas psicodélicas, houve pouco dinheiro público concedido para a pesquisa, que está sendo realizado em Hopkins, a Universidade do Arizona, Harvard, New York University, a University of California, Los Angeles; e em outros lugares.

O trabalho tem sido apoiado por grupos sem fins lucrativos como o Instituto de Pesquisa Heffter e pelo MAPS, a Associação Multidisciplinar para Estudos Psicodélicos.

"Há uma aproximação entre ciência e espiritualidade", afirmou Rick Doblin, o diretor-executivo da MAPS. "Nós estamos esperando que o mainstream e a comunidade psicodélica possam se encontrar no meio e evitar outra guerra cultural. Graças às mudanças ao longo dos últimos 40 anos na aceitação social do movimento hospice e yoga e meditação, a nossa cultura é muito mais receptiva agora, e nós estamos mostrando que estas drogas podem proporcionar benefícios que os tratamentos atuais não podem".

Os pesquisadores estão relatando o sucesso no uso de psilocibina preliminar para aliviar a ansiedade de pacientes com doenças terminais. Dr. Charles S. Grob, um psiquiatra que está envolvido em um experimento na Universidade da Califórnia, descreve-o como "medicina existencial" que ajuda as pessoas que estão morrendo a superar o medo, pânico e depressão.

"Sob a influência de alucinógenos", Dr. Grob escreve, "as pessoas transcendem a sua identificação primária com seus corpos e experimentam estados “ego-livre” (free-ego states) antes da época de sua morte física real, e voltam com uma nova perspectiva e profunda aceitação da constante mudança da vida”.

4 comentários:

openid disse...

Legal, tava procurando uma tradução dessa reportagem! Obrigado. abs

Enteo disse...

e ai Fernando! Seguinte, posso reproduzir essa sua tradução no enteogenos.org? abs

Anônimo disse...

DE SOUZA, P.A.. Alcaloides e o chá de ayahuasca: uma correlação dos "estados alterados da consciência" induzido por alucinógenos. Rev. bras. plantas med. [online]. 2011, vol.13, n.3, pp. 349-358. ISSN 1516-0572.

o artigo é gratuito...free para baixar em pdf

Anônimo disse...

Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.13, n.3, p.349-358, 2011

Alcaloides e o chá de ayahuasca: uma correlação dos “estados alterados da
consciência” induzido por alucinógenos
DE SOUZA, P.A.
Departamento de Pós-graduação em Química, Instituto de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Ilha
do Fundão, CEP: 21949-900, Rio de Janeiro-Brasil *pierreandrexam@yahoo.com.br, pierreandre@iq.ufrj.br
RESUMO: Dentre as inúmeras plantas alucinógenas utilizadas por populações indígenas da
bacia amazônica, talvez nenhuma delas seja mais interessante ou complexa em termos botânicos,
químicos ou etnográficos, como a bebida alucinógena conhecida como ayahuasca, hoasca,
medicina, vegetal ou daime. Ayahuasca é bebida psicotrópica da América do Sul de destacado
uso no xamanismo de muitas tribos indígenas da Amazônia, obtida pela fervura da casca do cipó
de Banisteriopis caapi com a mistura de folhas de Psycotria, principalmente P. viridis. No Brasil,
ocupa posição de destaque na etnomedicina. A natureza química dos compostos ativos, bem
como, a maneira de utilização faz com que essa bebida ocupe posição de destaque nos atuais
estudos da neurofarmacologia, neurofisiologia e psiquiatria. Alucinógenos e substâncias
relacionadas constituem poderosa base experimental para investigar a correlação biológica dos
estados alterados de consciência. O estudo de alucinógenos em humanos é de suma importância
porque as substâncias com essas propriedades afetam certas funções cerebrais que tipicamente
caracterizam a mente humana, incluindo a cognição, volição, ego e auto-percepção. As várias
manifestações dos “desequilíbrios do ego” são especialmente características psicodélicas
proeminentes, que acabam naturalmente criando psicoses. Sumarizamos nessa revisão alguns
aspectos importantes no estudo do chá de ayahuasca em humanos, as indicações e contraindicações para fins terapêuticos e religiosos.
Palavras-chave: ayahuasca, alcaloides, etnomedicina, Psycotria, Banisteriopis
ABSTRACT: Alkaloids and ayahuasca tea: a correlation of hallucinogen-induced “altered
states of consciousness”. Among the numerous hallucinogenic plants utilized by indigenous
populations of the Amazon Basin, perhaps none is as interesting or complex in terms of botany,
chemistry or ethnography as the hallucinogenic beverage known as ayahuasca, hoasca, medicine,
vegetable or daime. Ayahuasca is a South American psychotropic beverage that is prominent in
the shamanism of many indigenous Amazonian tribes and is obtained by boiling the bark of the
liana Banisteriopsis caapi together with the mixture of leaves of Psychotria, principally P. viridis.
In Brazil, it occupies a central position in ethnomedicine. The chemical nature of its active
constituents and the manner of its use makes it relevant to contemporary studies in
neuropharmacology, neurophysiology, and psychiatry. Hallucinogens and related substances
constitute a powerful experimental basis to investigate the biological correlation of altered states
of consciousness. The study of hallucinogens in humans is important because these substances
affect a number of brain functions that typically characterize the human mind, including cognition,
volition, ego, and self-consciousness. The several manifestations of “ego disorders” are especially
prominent psychedelic features that naturally lead to psychoses. In the present review, we
summarize some of the important aspects in the study of ayahuasca tea in humans, its indications
and contraindications for therapeutic and religious purposes.
Key words: Ayahuasca, alkaloids, ethnomedicine, Psycotria, Banisteriopis
R

Postar um comentário